A Estrada para o Ultimato | Capítulo 21 – Capitã Marvel

Filme se destaca por ser o primeiro longa solo de uma super-heroína no MCU

A Estrada para o Ultimato | Capítulo 21 – Capitã Marvel

Criado por Stan Lee e Gene Colan em 1967, o Capitão Mar-Vell era um oficial militar da raça Kree que foi enviado a Terra para observar o planeta por conta do desenvolvimento de tecnologias para viagem no espaço que estavam sendo desenvolvidas por aqui. Depois de um certo tempo em nosso planeta, Mar-Vell decidiu se aliar aos terráqueos fazendo com que o Império Kree o considerasse um traidor e que o herói se tornasse o guardião oficial da Terra a partir daquele momento.

Quarenta e cinco anos depois, em 2012, a oficial da Força Aérea americana Carol Danvers, também conhecida na época como Ms. Marvel, assume o nome de Capitã Marvel após a morte de Mar-Vell. Apenas sete anos depois, a heroína não somente ganhou seu primeiro filme solo como também se tornou a primeira heroína a (finalmente!) ganhar um filme no Universo Cinematográfico Marvel, escrevendo seu nome na história antes mesmo de chegar às telonas.

Como mostrado na cena pós-créditos de Vingadores: Guerra Infinita, depois do estalar de dedos avassalador de Thanos, o diretor da SHIELD Nick Fury tem como último ato antes da sua morte ativar um pager antigo que mostrava o símbolo de uma estrela amarela e detalhes nas cores vermelho e azul, igual ao uniforme da nossa Capitã Marvel, facilmente identificado pelos fãs. Ali ficava claro que a Capitã teria grande importância para o MCU, afinal podemos afirmar a partir disso que ela era a última esperança de Nick Fury, a última carta na manga do homem que sempre teve cartas na manga.

No ano de 1995, no universo dos cinemas, Carol Danvers é apresentada como Vers, membro da Força Estelar do Império Kree que sofre com problemas de amnésia e pesadelos recorrentes envolvendo uma mulher mais velha. Seu amigo e mentor Yon-Rogg tenta treiná-la para controlar seus poderes especiais, pois assim deseja a Suprema Inteligência, a inteligência artificial que governa os Kree. Porém, sua vida sofre uma reviravolta quando, durante uma missão de resgate, Vers é sequestrada pelo comandante Talos, da raça Skrull, inimiga dos Kree.

Suas memórias acabam levando a nave Skrull para o planeta Terra, onde a militar consegue escapar de Talos. Encontrada pelos agentes Nick Fury e Phil Coulson em uma simples loja da Blockbuster, Vers é levada para as instalações do Projeto Pegasus na base da Força Aérea americana, onde é descoberto que a heroína era há muitos anos uma pilota chamada Carol Danvers, que foi dada como morta em 1989 durante o teste de um jato experimental desenvolvido pela Dra. Wendy Lawson, reconhecida por Carol como a mulher de seus contínuos pesadelos.

Ao visitarem na Louisiana a ex-pilota Maria Rambeau, a última pessoa que havia visto Carol e Wendy Lawson vivas, Fury, Carol e Rambeau são abordados por Talos, o comandante Skrull, completamente desarmado, que explica que os Skrulls eram apenas refugiados à procura de um novo lar. Ele também revela que Lawson na verdade era Mar-Vell, uma cientista Kree renegada que estava os ajudando nessa missão até ser morta pelo Yon-Rogg logo após a queda do jato experimental, que funcionava à base do Tesseract, artefato que abrigava a Joia do Espaço, uma das seis Joias do Infinito.

Com os Kree já em direção a Terra para resgatá-la e destruir os Skrulls que estavam no planeta, Danvers abre os olhos para os verdadeiros vilões dessa guerra. É chegada a hora de Carol Danvers abandonar os tons de verde do uniforme Kree, proteger a Terra e lutar pelo o que é certo, liberando todo o poder que Yon-Rogg estava tentando fazer com que ela controlasse. É a hora de Carol se transformar na Capitã Marvel.

Apesar de ser o último filme antes da estreia de Vingadores: Ultimato, Capitã Marvel acaba, pelo fato de se passar em 1995, funcionando como um prequel para quase todo o Universo Cinematográfico Marvel, que começou a ser construído a partir de 2008 e apenas abordou o período pré-2008 em poucas obras, como Capitão América: O Primeiro Vingador. Esse fator ganha força quando somos apresentados no filme a Nick Fury e Phil Coulson, que estão com um visual muito mais jovem do que estamos acostumados a ver no MCU.

Ao revelar que o pager mostrado na cena pós-créditos de Vingadores: Guerra Infinita foi na verdade dado pela própria Capitã Marvel a Nick Fury para que ele a contactasse quando a Terra estivesse sob ameaça, podemos concluir que Carol não apenas é a última carta na manga de Fury, como também concluir que a ameaça de Thanos é tão forte que, mesmo com as diversas invasões que a Terra já havia sofrido, como a dos Chitauri em Os Vingadores, e o caos generalizado instaurado no planeta em Vingadores: Era de Ultron, ele ainda não havia sentido a necessidade de contactá-la.

A premissa das Joias do Infinito também se encaixa com a utilização do Tesseract mais uma vez no MCU, de longe o artefato mais explorado nesse universo. É interessante ver onde ele foi parar depois de ter sido utilizado pelo Caveira Vermelha em 1945, em Capitão América: O Primeiro Vingador, e antes de ir parar no cofre de Odin em Asgard, como vimos em Thor, nas mãos de Loki, como vimos em Thor: Ragnarok, e posteriormente como Joia do Espaço na Manopla do Infinito de Thanos em Vingadores: Guerra Infinita.

Graças à Joia do Espaço e as outras cinco Joias do Infinito, o Titã Louco conseguiu exterminar metade da vida inteligente no universo. Resta torcer para que os Vingadores, que agora terão a Capitã Marvel ao seu lado, consigam reverter o estrago feito por Thanos. Chegou a hora da batalha final.

A Estrada para o Ultimato termina amanhã com Vingadores: Ultimato.