A Estrada para o Ultimato | Capítulo 16 – Homem-Aranha: De Volta ao Lar

A Estrada para o Ultimato | Capítulo 16 – Homem-Aranha: De Volta ao Lar

O Homem-Aranha foi introduzido ao Universo Cinematográfico Marvel em Capitão América: Guerra Civil, lançado em 2016, mas a ideia de trazê-lo ao universo criado pela Marvel Studios na verdade surgiu em 2014. Nos anos 90, quando a indústria dos quadrinhos começou a afundar drasticamente e a Marvel decidiu vender os direitos de uso no cinema de suas principais propriedades, o Homem-Aranha foi parar nas mãos da Sony, que durante esse tempo desenvolveu uma trilogia entre 2002 e 2007, estrelada por Tobey Maguire como Peter Parker e dirigida por Sam Raimi, e um reboot com dois filmes, protagonizados por Andrew Garfield, que chegaram aos cinemas em 2012 e 2014, respectivamente.

Com o anúncio da Fase 3 da Saga do Infinito em outubro de 2014 e com a revelação de que o terceiro filme do Capitão América seria uma adaptação de Guerra Civil, os fãs começaram a exigir da Marvel Studios que o Homem-Aranha fosse incorporado ao MCU, visto que o herói é pivô da trama desenvolvida na Guerra Civil dos quadrinhos. “A Marvel não anuncia algo oficialmente se não estiver gravado em pedra. Então nós seguimos com o nosso Plano A em outubro, com o Plano B sendo, se o acordo com a Sony acontecesse, como tudo mudaria. Nós estávamos pensando sobre [o filme do Homem-Aranha] tão quanto nós estávamos pensando sobre a Fase 3”, revelou o produtor Kevin Feige em entrevista ao CraveOnline em abril de 2015.

Não há dúvidas que o acordo feito entre Sony e Marvel em fevereiro de 2015 foi histórico. O personagem já não vinha bem das pernas em seus últimos filmes solo inteiramente nas mãos da Sony, ao passo que a Marvel tinha muito interesse no teioso não apenas para deixar a história de Capitão América: Guerra Civil mais verossímil com as HQs, mas também para explorar a fama do personagem em novos filmes solos, repaginando o herói e apresentando personagens do universo do Homem-Aranha nunca antes vistos nas telonas. Era a oportunidade perfeita para a Sony se redimir e para a Marvel mostrar que, de fato, tudo que toca, vira ouro. O novo visual e o ator Tom Holland foram aprovados pelos fãs e pela crítica em sua curta participação em Guerra Civil, mas será que ele seria capaz de conduzir um filme próprio?

Peter Parker vive tranquilamente a sua vida de estudante de ensino médio, mas depois de tudo o que ele vivenciou em Berlim, em Capitão América: Guerra Civil, lutando contra heróis como Falcão, Homem-Formiga, Feiticeira Escarlate e o próprio Capitão América, ele sabe que ele é capaz de mais, de ajudar àqueles que precisam e ser um super-herói de verdade. Do outro lado de Nova York, o empresário Adrian Toomes trabalha com a sua empresa para o governo limpando a cidade dos destroços causados pela invasão dos Chitauri à Terra, mostrada em Os Vingadores. Porém, a empresa de Toomes não apenas limpa a cidade como constrói armas utilizando a tecnologia deixada pelos alienígenas.

Ao flagrar Jackson Brice e Herman Schultz, associados de Adrian Toomes, tentando vender armas para o criminoso local Aaron Davis, Peter decide provar para si e para o mundo que é capaz de agir só como um herói. O Homem-Aranha consegue resgatar Davis, mas não contava com a aparição de Toomes em sua roupa tecnológica de Abutre, que quase mata o garoto afogado ao despejá-lo em um lago. Para a sua sorte, Tony Stark instalou sensores no uniforme do Homem-Aranha para monitorar as atividades de Peter e consegue ir ao lago e salvá-lo a tempo, reforçando que o adolescente ainda não está preparado para viver uma vida de vigilante, como ele tanto deseja, e intensificando seu papel como um mentor para Peter.

Porém, Peter Parker é um rapaz desobediente e, junto a seu melhor amigo Ned, começa a estudar uma arma deixada para trás por Brice, removendo seu núcleo central e descobrindo a verdadeira fonte daquela tecnologia. Ned e Peter decidem desativar o rastreamento que Tony Stark havia implementado em seu traje e vão atrás de Toomes para impedir sua ofensiva contra o Departamento de Controle de Danos, que está fiscalizando duramente seu trabalho ilegal, uma decisão que acaba colocando não apenas Peter e Ned em perigo, mas todos os seus amigos, incluindo sua melhor amiga Liz, que posteriormente Peter descobre que é filha de Adrian Toomes.

“De Volta ao Lar” não é apenas um subtítulo que remete ao retorno do Homem-Aranha à Nova York depois da viagem a Berlim, mas também é a perfeita descrição de como a Marvel Studios conseguiu incorporá-lo tão bem ao seu universo e renová-lo de uma forma tão leve ao ponto de realmente parecer um retorno ao seu lar, aos seus preceitos mais básicos e ao que faz o Homem-Aranha ser o Homem-Aranha, princípios que ao longo das décadas o tornaram o personagem mais querido dos quadrinhos e que haviam se perdido com o tempo depois de tantas sequências e adaptações nos cinemas.

A dinâmica Peter-Tony como aprendiz e mentor, estabelecida em Guerra Civil, se mantém vital nesse filme e ao mesmo tempo carrega um humor ímpar no Universo Cinematográfico Marvel. Anteriormente no cinema, Peter Parker sempre foi um guerreiro solitário, enfrentando sozinho os vilões que surgiam por Nova York e lidando com seus tramas da forma mais introspectiva possível. Em um universo já estabelecido, cheio de super-heróis e com ameaças de nível global, é natural que o Homem-Aranha, com apenas 16 anos de idade, não saiba lidar com a situação e precise de alguém para guiá-lo. Ninguém melhor para essa função do que aquele que deu o pontapé e guiou os rumos do MCU até aqui, o Homem de Ferro.

Devido a longevidade do MCU, essa dinâmica também serve como uma conversa entre gerações: a primeira, de fãs mais antigos, que assistiram ao nascimento desse universo, e a segunda, de fãs mais novos, que mergulharam dentro desse universo devido ao estrondoso sucesso que os filmes começaram a fazer a partir de Os Vingadores. É como uma nova porta de entrada para alguns e um despertar de novos ares para outros, muito bem-vindos depois de quase uma década de longas, no auge de sua fase mais próspera. Isso se prova ao observarmos que o primeiro e único filme confirmado pela Marvel Studios para o pós-Ultimato é Homem-Aranha: Longe de Casa, mostrando que Peter Parker será o responsável pelo pontapé da nova saga da Marvel assim como Tony Stark foi o responsável pelo pontapé da Saga do Infinito.

A Estrada para o Ultimato volta a Asgard e continua amanhã com Thor: Ragnarok.


Siga nossas redes sociais: FacebookInstagramTwitter YouTube.

Compartilhe: