Entrevista com os organizadores cosplay do SESC Geek!

Entrevista com os organizadores cosplay do SESC Geek!

A última edição do SESC Geek aconteceu nos dias 18 e 19 de agosto, e com ela tivemos a oportunidade de entrevistar dois dos organizadores da área de cosplay do evento, Drika Colaço e Hugo Douglas. Ambos são cosplayers há algum tempo e possuem experiência na área, tendo participado e ajudado na organização tanto do workshop quanto do campeonato de cosplay do evento. Conversamos com eles sobre o cenário local de cosplay, suas experiências com o SESC Geek e o que esperam para o futuro, e eles dividiram seus pensamentos conosco, que você pode conferir abaixo.

O workshop cosplay foi uma tentativa de ajudar tanto novatos quanto veteranos na área

Cultura Nérdica: Qual era a expectativa da quantidade de pessoas interessadas no workshop de cosplay? Haviam muitos novatos na área?

Drika Colaço: Realmente não tinha noção de quantas pessoas estariam interessadas no workshop, compartilhei ao máximo na expectativa de atrair maior público, tanto novatos que não são familiarizados com o cenário quanto àqueles que já estão envolvidos com o meio e buscam formas de melhorar. Infelizmente os interessados foram poucos, a maioria dos que atenderam ao evento e que estavam ligados ao universo cosplay não buscavam tanto aprimorar o trabalho deles e por isso estamos buscando meios de incentivo à estas pessoas para fortalecer o cenário.

Hugo Douglas: Esperava termos nessa edição um número maior de participantes, principalmente no meio cosplay, já que muitos ainda têm certas dificuldades, seja na confecção de acessórios ou roupas. O que notamos é que alguns do nosso meio não têm esse interesse em 100%, de participar, por motivos os quais gostaria muito de saber, porque esses workshops que estamos realizando estão sendo elaborados também para ajudar a quem já é da área. O bom é que vemos que nessas duas edições do SESC Geek vimos muitos novatos ou curiosos para conhecer esse mundo maravilhoso.

Cultura Nérdica: De onde partiu o desejo de colaborar na organização da divisão de cosplay? Vocês foram convidados ou algo do tipo?

Drika Colaço: Na primeira edição do SESC Geek eu fiquei responsável pelas regras e para ser júri cosplay. Foi ideia do meu amigo Hugo, que faz parte da organização há mais tempo. Eu concordei, pois sempre foi uma vontade minha ser júri de concurso, visto que eu já vinha estudando e praticando o artesanato do cosplay e desenvolvendo meu senso crítico há um bom tempo.
Apesar disso, nessa segunda edição optei por ser apenas participante da organização geral dos Cosplayers. Sendo assim, resolvi inovar em alguns aspectos com o objetivo de trazer uma melhor experiência para os cosplayers de Alagoas.

Hugo Douglas: Acho que posso dizer que foi algo do acaso, porque o responsável desse evento tinha ido ao encontro de fãs da Marvel no Parque Shopping meses antes de ocorrer a 1º edição do SESC Geek, onde lá ele ia procurar por contatos que quisessem participar do evento. Por incrível que pareça eu já o conhecia, porque ele era meu instrutor da academia que funciona lá no SESC. Quando ele nos mostrou o projeto, abraçamos praticamente de imediato. A partir daí começamos a conduzir as atividades da área cosplay no evento.

Hugo como Klein de Sword Art Online

Cultura Nérdica: Você acha que o SESC Geek é um evento convidativo para cosplayers, levando em consideração a climatização, espaço para circular no evento e afins?

Drika Colaço: Bom, de início admito que fiquei preocupada por ser um evento ‘’novo’’ (para mim era novo, mas para alguns nostalgia) e não quis criar tantas expectativas, mas realmente me surpreendeu bastante com a quantidade de atividades que eles conseguiram aderir! Os cosplayers tiveram camarim para se vestir ou descansar, concursos e o espaço é bacana para fotos e circulação. Quanto a questão da climatização, os cosplayers já devem ter em mente de que o SESC é um ambiente aberto e não climatizado e não podemos esquecer que moramos em Maceió, portanto não podemos esperar que seja confortável ficar com um cosplay que tenha muitos acessórios e roupas pesadas sem ficar com calor, não é mesmo?

Hugo Douglas: Dado a situação atual do nosso clima, os cosplayers já devem estar preparados para o tipo de estrutura que irão passar o dia. Sabemos que o SESC não é um espaço grande, fechado e climatizado, então para que não tenhamos de sofrer um pouco, a preferência será escolher um cosplay ao qual não nos dê tanto calor. Mas temos os insistentes que mesmo no calor usam cosplays pesados, como o meu caso, que no domingo usei um cosplay com umas duas/três camadas de tecido. É complicado utilizar, mas acho que vale o sacrifício.

Cultura Nérdica: O SESC Geek contou com um camarim cosplayer, algo que os cosplayers da nossa região sempre reclamaram que faltava na maioria dos eventos daqui. Como foi a organização do camarim e de quem partiu a ideia de fazê-lo?

Drika Colaço: A ideia surgiu justamente por ocorrer a falta de camarins apropriados em eventos daqui de Alagoas, pois muitos cosplayers não podem/gostam de vir caracterizados. Então como o SESC estava buscando inovar e atrair o público cosplay, o grupo de organizadores dos CosplayersAL solicitaram ter um camarim apropriado e exclusivo para os cosplayers.

Hugo Douglas: Todos os eventos aos quais nós do grupo COSPLAYERS AL somos chamados, sempre prezamos nas necessidades ao qual um cosplayers tem, seja camarim, o horário ao qual as atividades para nós irão ocorrer, até mesmo alguns mimos que o próprio evento pode nos oferecer, como lanches e afins. Dentre isso tudo o camarim é de extrema importância, pois nem todos conseguem se deslocar de suas casas devidamente trajados, ou não desejam por diversos motivos. Por isso sempre priorizamos em qualquer atividade ou evento que ocorra que ao menos tenha uma sala disponível a nós. Na primeira edição obtivemos uma sala muito pequena, ao qual não comportava todos os cosplayers, mas nessa segunda edição conseguimos um espaço maior, o que facilitou organizarmos os espaços para troca de roupa, para quem necessita de maquiagem, para guardar seus pertences e até um espaço para fotos.

Drika como Flameranger

Cultura Nérdica: Vocês chegaram a frequentar eventos antigos no SESC? Se sim, o que acham da nostalgia de realizar eventos no SESC novamente, o lugar onde tudo começou há mais de dez anos?

Drika Colaço: Não cheguei a ir em eventos antigos do SESC, por ser mais nova na época, então foi tudo novo para mim.

Hugo Douglas: Frequentei sim os primeiros eventos e nossa, quando surgiu essa oportunidade de estar participando mais uma vez de um evento para nosso público, a emoção bateu no peito. Você relembra de diversos momentos maravilhosos dos eventos anteriores que ocorriam lá, como o Nippon Seito, EARPG (Encontro Alagoano de RPG e anime), as bandas de animesongs que já passaram como a Banzai, ou a Venom Shoyo. Não é a mesma magia como de antes, os eventos de hoje, mas tentamos trazer o que houve de bom naquela época.

Cultura Nérdica: Como vocês veem o cenário cosplay em Alagoas atualmente, principalmente se comparado com os anos anteriores? Há crescimento, muitas mudanças?

Drika Colaço: Com certeza mudou bastante, estamos tentando reunir todos os cosplayers para termos uma comunidade maior e unida. Acho que é o ponto chave de aumentar a interação do público no hobby! Com o SESC Geek pude trazer algumas inovações no concurso na tentativa de atrair mais os cosplayers fazendo a utilização de métodos dos concursos nacionais.

Hugo Douglas: Eu enxergo que está sim havendo um crescimento do cenário cosplay em Alagoas comparado aos anos anteriores. Mas ele anda muito no escanteio devido às novas modas que surgem, sejam pelos YouTubers ou mesmo a mania do K-Pop, áreas que estão crescendo desenfreadamente, e os eventos estão priorizando mais esses grupos. Fico muito triste que um hobby que chama a atenção em evento como o cosplay esteja sendo tratado assim, por isso muitos que andam no meio até desistem de ir a tais eventos porque sabem que quando chegarem lá não serão tratados da mesma forma que esses outros grupos estão sendo tratados. Mas, mesmo com essas mudanças, ainda não desistimos. Enquanto houver eventos e atividades, estaremos lá marcando presença, seja com muitos ou poucos. O que importa é manter essa chama acesa e atrair mais e mais pessoas para esse hobby que para mim é minha segunda vida.

Cosplayers fotografados no segundo dia do SESC Geek II

Cultura Nérdica: Quais são suas expectativas para os próximos eventos, em relação à número de participantes, divulgação do hobby e etc?

Drika Colaço: As divulgações do evento nunca foram tão grandes, tanto nas TVs como nas redes sociais, o que acaba divulgando o hobby. Isso é bastante importante para o crescimento e conhecimento do cenário. Espero que continue crescendo, para que nosso esforço seja reconhecido não como uma perda de tempo, mas sim uma forma de arte.

Hugo Douglas: Tenho esperança que nos próximos encontros e eventos teremos muito mais participantes. A cada dia que passa sempre estamos procurando diversos modos para que esse hobby seja mais e mais divulgado em nossa cidade, não é a toa que este ano diversos encontros, atividades e eventos surgiram um atrás do outro, e sempre marcamos presença, além das caravanas que organizamos, porque não podemos ficar apenas aqui, mas também devemos conhecer os eventos de fora justamente para trazer o que há de bom deles para nossa região.

Ficam aqui nossos agradecimentos à Drika e Hugo por terem cedido seu tempo e colaborado com nossa entrevista. Se você ficou interessado em conferir os trabalhos deles como cosplayers, pode visitar o Instagram da CosplayersAL, da Drika e do Hugo. Por fim, continue acompanhando o Cultura Nérdica para ficar ligado nas novidades e dar suporte ao cenário cosplay em nosso estado!