Review | Kimi No Na Wa

Review | Kimi No Na Wa

Minha visão sobre animes e animações japonesas de modo geral se iniciou ainda em minha pré-adolescência, quando assistia as histórias apenas para me entreter e sair um pouco da minha realidade. Mas mal sabia eu que ali era o início da minha especialização no mundo das animações. E só para te passar um pouco de credibilidade – porque você, caro leitor, merece – minha experiência com animações foi em meados de 1998 com Porco Rosso. Já ouviu falar? Se sim, você bem possivelmente é um dos meus, senão…Calma! Você pode chegar lá, se quiser. Porco Rosso é uma animação do famoso Studio Ghibli que muito me encanta até os dias atuais e que foi a porta de entrada para um novo hobby, um novo amor.

Apresentações deixadas a parte e para as próximas críticas. Kimi no na Wa, para quem ainda não está muito ligado é a mais nova animação do diretor,  Makoto Shinkai, muito conhecido por suas obras serem pesadas emocionalmente falando e de cunho realista na maioria das vezes. Duas que me chamaram bastante atenção e que me tocaram, de fato foram: “O lugar prometido em nossa juventude” e “5 centímetros por segundo”. Ambas me deixaram pensativa e bastante emocionada. Makoto ainda tem mais animações controvérsias e de muito bom gosto que não vou citar, mas que você pode encontrar na Netflix (a última vez que olhei estavam algumas lá).

Enfim, entrando em sua sinopse por minhas palavras, Kimi no na Wa ou Your Name (em ocidental) conta a história de dois jovens que trocam de corpo e pensam estar em um sonho, mas conforme a troca se torna frequente e as pessoas ao redor começam a comentar sobre como eles andam agindo de forma estranhas, ambos percebem que algo errado não está certo (haha).

Mitsuha Miyamizu é uma jovem do ensino médio que mora num vilarejo bem distante da capital do Japão. Sua família é guardiã de um templo antigo e a mesma cuida dos rituais que fazem parte da cultura de sua cidade. Seu grande sonho é um dia poder morar em Tokyo.

Taki Tachibana também é um jovem do ensino médio que mora na grande metrópoles de Tokyo., mora com seu pai e tem poucos amigos, além disto possui um emprego de meio período em um restaurante e possui uma queda por sua colega de trabalho, Miki Okudera.

Esta é a premissa de Kimi no na Wa. E aparentemente, pode não chamar a atenção, porém a trama da animação se desenvolve aos poucos, vamos conhecendo os personagens e seus núcleos e descobrindo seus problemas, vida e sonhos. E a partir disto a história chega no ápice da viagem no tempo de uma maneira bem mais divina e mística do que científica e nos prende a atenção ao mencionar a força de um amor por alguém que você conhece de dentro para fora literalmente, já que os personagens trocam de corpo e podem sentir o que cada um sente sobre sua própria vida.

O drama dos personagens se torna ainda mais profunda quando eles percebem que precisam correr contra o tempo para evitar uma catástrofe. Claro que não direi mais que isto para não tirar  fôlego da curiosidade de vocês…

Falando das questões mais técnicas da animação, Kimi no na Wa impressiona, encanta e prende você pela perfeição do traço, expressão e a forma como a natureza é mostrada em cada cena. Os detalhes são muito bem colocados e a qualidade da animação deixa os olhos brilhando. A trilha sonora é simples e pequena, porém muito bonita e é colocada nos momentos certos, nos deixando muito sensíveis com as situações dos personagens. Inclusive, enquanto estou escrevendo esta crítica, estou a ouvindo. As músicas instrumentais são belíssimas, vale a pena ouvir depois, viu?

Enfim, Kimi no na Wa é um romance muito bem produzido, firmado na viagem do tempo com a ajuda de deidades ( então não fique presos a lógicas científicas, por favor!) construindo através da conexão de duas pessoas que se apaixonam e que buscam mudar um futuro (ou passado, depende do ponto de vista). Eu muito recomendo assistir e se apaixonar por esta obra espetacular de Mokoto Shinkai que é considera por muitos, o seu melhor longa até o momento. Eu ainda fico na dúvida…

Sayonara… Mayce! 😀